Estação de Monta

Dra. Regina Carla Gagliardi de Freitas
Médica Veterinária
Especialista em reprodução animal
Consultora em Ovinocultura e Caprinocultura


Têm-se como estação de monta o período de, no máximo, 60 dias em que se manejam reprodutores e matrizes para a reprodução. Isto facilita o controle sanitário e nutricional dos recém nascidos e o manejo das instalações, além de permitir uma melhor homogeinização do rebanho com melhores ganhos na comercialização.

Antes do início de uma estação de monta, devemos pensar em melhorar o desempenho reprodutivo do rebanho, adotando medidas que deverão ser encaixadas como praxeno manejo reprodutivo da propriedade.

A primeira medida a ser tomada diz respeito a saúde do reprodutor.Verificar seu estado nutricionale realizar um exame andrológico.

O exame andrológico reflete as atuais condições reprodutivas de um macho. O potencial reprodutivo do animal deve ser verificado antes de se iniciar uma estação de monta e quando este for participar de exposições. A avaliação destina-se a observação das condições semiológicas, bem como as condições de sanidade, alterações genéticas, saúde geral, deficiências na cópula ( impotência coeundi), alterações do sistema genital e problemas espermáticos ( impotência generandi).

Realizando-se esta primeira medida, deve-se verificar se a quantidade de machos é suficiente para o número de matrizes que pretende–se utilizar, dependendo do sistema de acasalamento empregado na propriedade.

A Monta Livre Natural, ou seja, macho e fêmeas continuamente juntos, permite para cada macho, cerca de 50 fêmeas.

A Monta Natural Controlada, ou seja, reprodutor preso e fêmeas a pasto com rufiões, permite para cada reprodutor, cerca de 200 fêmeas e 1 rufião para cada 50 delas.

A Inseminação Artificial a fresco, ou seja, colheita e diluição do sêmen do reprodutor e imediata inseminação das fêmeas em cio, permite para cada reprodutor, até 450 fêmeas, e 1rufião para cada 50 delas.

Após a escolha do sistema de acasalamento, tendo-se determinado o número de reprodutores e realizados os exames andrológicos dos mesmos, temos então de voltar nossas atenções para as matrizes.

Descartar fêmeas com histórico de abortamento e baixa habilidade maternal. Avaliar sanidade e estado nutricional, o escore corporal deve ser 3 (de um padrão de 1 a 5).Fêmeas jovens deverão ter no mínimo 70% de seu peso adulto. Verificar se todas as matrizes possuem identificação por meio de brinco ou colar para a escrituração zootécnica da propriedade.

Para todo o rebanho, deverão ser feitos casqueamento e exames de fezes OPG (ovos por grama de fezes)realizando-se a vermifugação caso seja necessário.

Com essas medidas preventivas teremos aumento da produtividade, ganho em qualidade e eficiência na criação, independente do tamanho do rebanho em questão.